“A usabilidade é invisível. Se algo está indo bem, você não nota”, já diziam Rubin e Chisnell. Infelizmente, poucas empresas investem em estudos de usabilidade e seus produtos são lançados com falhas que já poderiam ser identificadas. Muitos pensam que o teste de usabilidade é custoso e demorado, mas existem alternativas para utilizar este método em qualquer projeto. Neste artigo explicarei o que é o teste formal de usabilidade e como podemos adaptá-lo para termos o que realmente importa: a opinião do usuário.

Definição

O teste de usabilidade é uma ótima técnica com foco nos usuários, os quais executam tarefas específicas e são observados pelo pesquisador que analisará cada sessão de forma quantitativa e qualitativa.

Dados qualitativos se referem a observações dos usuários pelo analista, assim como a opinião no debriefing. Dados quantitativos se referem a cliques, tempo, quantidade de páginas visitadas e respostas do questionário pré e pós-teste.

Vale ressaltar que o teste de usabilidade pode se fazer presente desde o início do projeto. Segundo Moraes e Santa Rosa, “à medida que o sistema é desenvolvido, o número de alternativas de design diminui e seus custos se tornam mais elevados”.

Podemos considerar os seguintes passos para começar um teste de usabilidade:

  1. Propósito, metas e objetivo do teste;
  2. Perguntas da pesquisa;
  3. Perfil do usuário;
  4. Tipo de teste;
  5. Cenários e tarefas;
  6. Ambiente e equipamentos;
  7. Relatório de dados qualitativos e quantitativos.

 

Para continuar lendo entre no site do nosso parceiro Medium

Fonte: https://medium.com/a-vindima/desmistificando-o-teste-de-usabilidade-4614718279a1#.x1avtlavr

Anúncios